Síndrome de Burnout, você sabe o que é? Fique atento!

Síndrome de Burnout, você tem idéia do que seja? Então fique atento, pois esta síndrome tem se apresentado entre os profissionais com mais frequência do que você pode imaginar.

Burnout é uma síndrome que acontece quando se atinge o terceiro estágio do estresse, também conhecido como exaustão, o estado já crônico e mais agravado. É quando o corpo coloca um ponto final na situação vivida pelo indivíduo.

O termo Burnout, que em inglês significa queimar por completo, explica como são intensas as sensações neste último nível de estresse. 

Todas as reservas de energias se esgotam, e a pessoa que antes vivia em ritmo alto de produtividade passa a trabalhar com falta de concentração, constantemente irritada e sem motivação.

Nosso corpo está preparado fisiologicamente para lidar apenas com pequenas ondas de estresse, para defesa do corpo. Por isso,  stress prolongado por conta de acúmulo de tarefas, cobranças excessivas, perfeccionismo e foco no trabalho como fonte exclusiva de prazer acabam por gerar esgotamento físico e mental.

Os atingidos sentem-se incapacitados, sofrem com redução no rendimento, enfrentam riscos de erros e acidentes de trabalho, alem das perdas nos relacionamentos com os colegas de trabalho e família.

As faltas excessivas de um colaborador com Burnout prejudica o fluxo de trabalho do setor, afetando a equipe e outras áreas, tornando o ambiente desagradável para todos.

Quais os principais sinais?

Quem nunca teve aquela vontade de ficar na cama e jogar o dia de trabalho pra o alto, ou pegar o carro e fugir sem destino? Não fazer idéia de onde estão as chaves, atire a primeira pedra quem nunca.

Estas situações podem no princípio parecer normais, mas a frequência destas situações devem acender o sinal de atenção em relação a um possível quadro de exaustão.

A síndrome de Burnout apresenta alguns sinais caracteristicos, são eles:

  • Alteração do apetite
  • Fortes dores de cabeça
  • Distúrbios do sono
  • Falta de auto estima
  • Sentimento de desesperança e derrota
  • Déficit de atenção e raciocínio lento
  • Taquicardia
  • Queda da produtividade
  • Fraqueza e fadiga constante
  • Déficit de memória
  • Dores musculares
  • Queda do sistema imunológico

Se você por conta do trabalho percebe estes sinais, ou seus familiares já disseram durante conversas informais: “você já percebeu que você está…?” Comece a ficar atento, para não entrar em uma bola de neve em que quanto mais estresse sente, menos produz, e quanto menos produz, mais é cobrado, e mais sinais da lista acima começam a se apresentar.  

Fuja deste ciclo que só prejudica sua vida, a sua família e toda a equipe.

Se na sua empresa um colaborador demonstra algum dos sinais acima de forma persistente, isso não pode passar batido. Nesse momento, junto com o setor médico e de recursos humanos, é fundamental avaliar como o desempenho dele está e como a convivência e o ambiente em que ele atua se encontram. Dessa forma, é possível deduzir se algum fator interno está afetando seu trabalho e consequentemente sua saúde.

Qual tratamento para o problema?

Esse mal é reconhecido pela Organização Mundial da Saúde e pelas leis brasileiras como doença ocupacional. Por isso, admite-se o afastamento para tratamento da síndrome.

Muito comumente ela é confundida com depressão e tratada com antidepressivos, que sim dão alívio, mas não resolvem o problema.

Sempre acompanhado por profissionais especialistas adequados, o tratamento deve ser focado na desaceleração do indivíduo. Férias, terapia, meditação e técnicas de relaxamento, momentos de diversão com amigos e família e atividade física devem passar a fazer parte do dia a dia da pessoa acometida por Burnout.

E na hora de retornar ao trabalho?

O ideal é um retorno gradual, estabelecendo metas menores em que as demandas crescem aos poucos, e principalmente manter atividades de bem estar e qualidade de vida na rotina do trabalhador.

Como combater a síndrome de burnout na empresa?

Burnout afeta a vida da pessoa e de toda a empresa, por isso o ideal é prevenir o problema reduzindo o estresse no ambiente de trabalho.

Incentive a atividade física

A atividade física estimula a produção de endorfina e sensação de bem estar. Além dos benefícios da redução e controle de peso e melhora da saúde quanto a pressão e função cardíaca.

Dentro da empresa é possível incentivar a prática de atividade física dos colaboradores com grupos de corrida e caminhada, aulas de pilates e ioga, ou até aulas de ginástica no ambiente de trabalho.

Cuide do ambiente de trabalho

Estar atento ao clima organizacional, ao ritmo de trabalho da equipe, ao indicadores de absenteísmo e horas extras é um trabalho do setor de Recursos Humanos. É fundamental monitorar e proporcionar um ambiente positivo onde a colaboração mútua e integração direcionem o trabalho de todos e permita fluir de maneira natural. 

Construa um ambiente onde os colaboradores queiram estar e os faça sentir-se felizes em trabalhar. Ouça sua equipe e se coloque sempre no lugar do outro.

Aposte em momentos de relaxamento na empresa

Atividades que estimulem a fuga da rotina como a quick massage são excelentes ferramentas para prevenção de Burnout na empresa.

A quick massage é uma massagem rápida, que não interfere no rendimento da equipe, não precisa de deslocamentou ou roupas especiais e os resultados para o estresse, ansiedade, dores musculares e insônia são excelentes.

Um programa de qualidade de vida que inclua os itens acima, além dos benefícios descritos estão a redução de gastos com assistência médica, absenteísmo, melhora no clima da empresa e produtividade da equipe. Invista no ambiente de trabalho da sua empresa e colha os frutos financeiros.

Gostou do artigo? Leia também:

Absenteísmo, qual o custo disso para sua empresa?

Prevenção – o melhor remédio para doenças ocupacionais

Absenteísmo e afastamento levado a zero. Case de sucesso na construção civil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *